Google+ Followers

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

NÃO EXISTO


NÃO EXISTO
De: Ysolda Cabral


No parapeito da janela,
Entre as cortinas e sob raios de Sol,
Vejo a minha pequena hortelã forte e bela.
Sinto até o cheiro dela!

No meu peito,
Ansiedade e saudade – além da gripe.
Sinto-me frágil e triste.

Lá fora o dia está lindo,
Claro e tão nítido!
Sinto-me um mito...

E, se assim for,
Tudo está finalmente esclarecido,
Definitivamente definido:
Eu, simplesmente, não existo.
Apaziguada comigo; assino.



**********


Publicado no Recanto das Letras em 19/08/2010

Código do texto: T2446811