Google+ Followers

domingo, 30 de maio de 2010

MORTE ANUNCIADA

MORTE ANUNCIADA


O tempo passa...
Na velocidade do pensamento

Em mente...

Semente que desabrochou,
Definitivamente pra nada

Sente...

O silêncio é conivente
O momento passa lentamente

Conflito instalado
É contraproducente

Sente...

Hoje o dia parece uma parede
Tomada de traça
Delineando desgraça

Sabe...

Às vezes, tão de repente,
A saudade mata.

*****

Publicado no Recanto das Letras em 30/05/2010
Código do texto: T2288747

sábado, 29 de maio de 2010

ROSA BONITO (SÉRIE EM CORES Nº 007)

( Por solicitação do nobre escritor e amigo Tristão de Alegrette)
ROSA BONITO
De: Ysolda Cabral



Rosa bonito pra mim
Não é o rosa da rosa em botão
Que desabrocha na roseira
Até nos jardins do sertão

Rosa bonito pra mim
Não é o rosa da tua camisa
Aquela que tão bem combinou
Com meu surrado jeans
Foi você que contou

Rosa bonito pra mim
Não é o rosa do lençol
A tremular alegre no varal
Na linda manhã de sol

Rosa bonito pra mim
É o rosa das maçãs do rosto de minha filha
Ao ruborizar indignada, mas feliz
Quando lhe chamo de menina.

*****
Yauanna na foto estava com um ano e me deu um trabalhão pra tirar essa foto. Eita menina feia!!! (Rsrs)

*****

Publicado no Recanto das Letras em 29/05/2010
Código do texto: T2287062

quinta-feira, 27 de maio de 2010

CAMINHO DO VENTO


CAMINHO DO VENTO
De: Ysolda Cabral


Tomei o caminho do vento
Um vento lento, preguiçoso
Paralisado pela beleza da lua

Com ele segui pela rua escura
Sem pressa, sem medo
E assim fui vencendo cada curva

Sem contraponto, com contratempo
Na contramão, sem contradição
Firme com minha decisão
Prossegui...

Sem sonho e sem fantasia
Sem esperança e sem alegria
Sentindo uma paz infinita
No caminho me perdi.

*****

Publicado no Recanto das Letras em 27/05/2010
Código do texto: T2283968

quarta-feira, 26 de maio de 2010

CONFISSÃO

CONFISSÃO
De: Ysolda Cabral



Pelo meu sorriso
Mesmo em momentos tristes
Dou Graças

Pela falta de vaidade, de ambição
De curiosidade e de quietação
Características por vezes inapropriadas
Dou Graças dobradas

Pela minha dispersão
Pela minha falta de espírito competitivo
Pela minha revoltada acomodação
Pela covardia de não saber dizer não
Dou Graças e não peço perdão


Pelo amor que me move
E que me tira da inércia, da depressão
Da infinita saudade de coisas
Que nem sei bem quais são
Dou Graça, pela falta de esclarecimento
E pela incompreensão


Pela minha poesia
Que me leva por caminhos
Por vezes belos e por vezes não
Dou Graças pedindo comiseração.

*****

Publicado no Recanto das Letras em 26/05/2010

Código do texto: T2281795

terça-feira, 25 de maio de 2010

PREMIO RECEBIDO




Queridos amigos,


A minha poesia teve a honra de ser homenageada pelo blog “Atitudes e Idéias”, da amiga e poetisa Adriana Leal. A bela “vitrine” virtual exibiu, ao longo de toda a semana passada, várias poesias de minha autoria. Hoje tive a honra de receber o troféu (acima) o qual, faço questão de dividir com todos vocês.

O link do blog “Atitudes e Idéias” é:
http://kateleal10.blogspot.com/

Abraços,

Ysolda Cabral

quarta-feira, 19 de maio de 2010

BRIGADEIRO E PICADEIRO



BRIGADEIRO E PICADEIRO
De: Ysolda Cabral


Hoje minha tristeza é imensa
Aí não sei se falo que a estou levando
De forma calada ou caladinha

Se digo calada
Pareço uma pessoa forte e destemida
Se digo caladinha
Pareço boba e muito frágil

Como em nenhuma das hipóteses me encaixo
Acho que sou mesmo um ser não identificado

E o que faço?

Escrevo o que me vem na “telha”
Chorando que nem "bezerro desmamado"
Pensando que seria melhor ser abelha

Então recorro ao brigadeiro
E logo depois do intervalo
Volto com tudo ao “ Picadeiro”
Sem esperar aplauso...

*****

Publicado no Recanto das Letras em 19/05/2010
Código do texto: T2266391

ROXO BONITO ( CORES EM SÉRIE Nº 006)


( Por solicitação da poetisa e amiga Flávia Angelini )


ROXO BONITO
De: Ysolda Cabral


Roxo bonito pra mim,
É a história de sua criação
A qual vou contar
Pedindo sua atenção

Deus maravilhado
Com o amarelo da acácia
E do azul anil do Céu
Pensou:

Se eu juntar essas duas cores
Uma mais bela nascerá
E por experiência Ele juntou

Foi assim que a nova cor surgiu
E de tão bela causou grande alvoroço
Entre as flores da floresta

A orquídea, se antecipando a violeta,
Mais que depressa pediu ao Criador
Que a vestisse também dela

Ele a vestiu e decidiu
Que a partir de então
Esta flor, de beleza sem igual,
Seria símbolo do Amor Celestial.

**********

Publicado no Recanto das Letras em 17/05/2010
Código do texto: T2263474


domingo, 16 de maio de 2010

PRETO BONITO (CORES EM SÉRIE Nº 005)



PRETO BONITO
De: Ysolda Cabral


Preto bonito pra mim
É o preto da noite escura
Tela de todas as estrelas

Preto bonito pra mim
É o preto daquele vestido
Que me deixou mais esguia
Naquele lindo dia

Preto bonito pra mim
É o preto dos teus cabelos
Onde o branco do grisalho
Parece gotas de orvalho

Preto bonito pra mim
É o preto do teu olhar
Brilhando de alegria
Ao me ver chegar

Preto bonito pra mim
É o preto daquela tela
Que pintasses pra mim
E que eu disse não gostar.


**********

Caros amigos,


Com o texto acima encerro, por enquanto, o " desafio" de escrever sobre as cores, o qual me foi proposto pela querida amiga e colega de trabalho Tê Lima. Esperando não tê-la decepcionado, aproveito para registar que, por conta do período de provas que se aproxima, estarei ausente por um tempo, daqui e do Recanto das Letras. Se for possível, estarei matando a saudade de vocês, aos sábados, dia que mais gosto.


Um abraço pernambucano,


Ysolda Cabral

*********

Publicado no Recanto das Letras em 16/05/2010
Código do texto: T2260151

AZUL BONITO

AZUL BONITO
De: Ysolda Cabral


Azul bonito pra mim
É o azul que manda a tristeza embora
Que nos convida ao banho de mar
E em suas ondas nos faz valsar

Azul bonito pra mim
É o azul daquela linda borboleta,
Que descansa na folha da hortelã
Quase todo dia em minha jardineira

Azul bonito pra mim
É o azul do Céu... Do Céu Azul...
Azul mesmo de encantar
Onde as nuvens gostam de brincar
Desenhando lindas imagens
Só pra nos fazer sorrir e sonhar

Azul bonito pra mim
É o azul diáfano da tua alma
Que sempre me ajuda
Quando me sinto só e muito agoniada
*****
Publicado no Recanto das Letras em 16/05/2010
Código do texto: T2260076

sábado, 15 de maio de 2010

VERMELHO BONITO

(CORES EM SÉRIE Nº 003)


VERMELHO BONITO

De: Ysolda Cabral


Vermelho bonito pra mim
É o vermelho do batom
Que disfarça a pele pálida
Na emoção do primeiro olhar

Vermelho bonito pra mim
É o vermelho daquela rosa
Tão linda que me destes...

E com raiva joguei fora
Quando foste embora
Pra nunca mais voltar

Vermelho bonito pra mim
É o vermelho do morango
Envolto de chocolate
Que gostaria de te dar.

Vermelho bonito pra mim
É o vermelho que corre em minhas veias
Fazendo meu coração acelerar
Quando sonho em lhe encontrar

*****


Publicado no Recanto das Letras em 15/05/2010

Código do texto: T2259482


quinta-feira, 13 de maio de 2010

AMARELO BONITO

( CORES EM SÉRIE - Nº 002 )


AMARELO BONITO
De: Ysolda Cabral


Amarelo bonito pra mim
É o amarelo do pintasilgo
Que canta em minha sacada
Quase toda madrugada

Amarelo bonito pra mim
É o amarelo da acácia, da flor de cactos
Que sempre vejo quando passo
No trajeto de casa pro trabalho

Amarelo bonito pra mim
É o amarelo do meu jarro
Que ornamenta e minha mesa
Com harmoniosa graça

Amarelo bonito pra mim
É o amarelo do quindim
Sedutor e convidativo
Convite que não resisto

Amarelo bonito pra mim
É o amarelo dos campos de trigo
Que só vejo na forma virtual
E por isso fico triste

Amarelo bonito pra mim
É o amarelo do Sol e da Lua
Que em dias nítidos e cálidos
Nas nuvens do CéuRetratam a tua cara.

*****


Publicado no Recanto das Letras em 13/05/2010
Código do texto: T2254684

segunda-feira, 10 de maio de 2010

COMO FOI O MEU DIAS DAS MÃES


COMO FOI O MEU DIA DAS MÃES
- A pedidos –



Na realidade meu dia começou no sábado, quando minha filha – a mais feia filha que uma mãe poderia ter, pediu o cartão de minha conta corrente, meu carro emprestado e foi comprar o meu presente.

Ontem, ela acordou relativamente cedo e mais que depressa foi me dar o presente que eu tinha comprado para mim, e, naturalmente, um beijo caprichado do dia das mães anunciando que, o dia era meu e que ela iria fazer tudo o que eu quisesse.

Fiquei super animada e quando ia abrindo a boca para sugerir alguma coisa, ela olhou para mim e falou: “mamãe se arrume depressa e vamos almoçar no Shopping”.

Ao chegarmos lá, logo percebi que meio mundo de filhos haviam tido a mesma idéia. Era tanta mãe, mais tanta mãe que batíamos umas nas outras. Todas com cara boba de felicidade.

Yauanna mais que depressa me levou para o restaurante da escolha dela, chamou o garçom, fez o pedido e anunciou que, logo após o almoço, iríamos ao cinema, na sessão das 14h: 40m. Inclusive, já havia comprado as entradas. Evidentemente, com o meu cartão, o qual já estava em seu poder desde o sábado.

Devo confessar que eu estava realmente adorando fazer tudo o que EU queria. (Rsrs)

Logo após a sobremesa, a preferida dela, fomos ao cinema. Quando nos sentamos foi que me lembrei de perguntar que filme assistiria e ela então me comunicou que era um filme brasileiro, intitulado “As Melhores Coisas do Mundo”, e, que no elenco estava o filho do Fábio Júnior.

Diante desse improviso, pensei: se pelo menos fosse o Fábio... !!!! (Rsrs)

O engraçado é que o filme me surpreendeu pelo seu enredo atual, polêmico, e educativo. Sai de lá com vontade de assisti-lo novamente. Ponto pra ela.

Bom, agora era minha vez e disse-lhe que iríamos pra casa da minha irmã, dar os parabéns ao meu sobrinho que estava aniversariando.

Ela mais que depressa disse: mamãe, preciso ainda fazer umas comprinhas rápidas. Como está nosso saldo? (Rsrs) – Lá fomos nós.

Bem depois, chegamos à casa de minha irmã quando, finalmente, fiz o que quis. “Detonei” no bolo de chocolate. (Rsrs)
*****
Publicado no Recanto das Letras em 10/05/2010
Código do texto: T2248529

domingo, 9 de maio de 2010

À MAIS LINDA ESTRELA DO CÉU

À MAIS LINDA ESTRELA DO CÉU
De: Ysolda Cabral


Ser mãe é se enternecer com qualquer coisa, até as mais tolas;
Ser mãe é passar a noite sem dormir, dando mama a uma criança,
Sem nenhum receio do peito perder a beleza;
Ser mãe é trocar fralda, mil vezes se preciso for, sem reclamar;
Ser mãe é estar atenta para quando o filho cair,
Ajudá-lo a levantar, cuidando de suas feridas até sarar;
Ser mãe é contar histórias, cantar as mesmas canções,

Milhões de vezes, até o filho dormir,

Quando então ela suspira de alívio, não dorme de remorso

E aguarda ansiosa o filho acordar;
Ser mãe é compreender as dores do filho, seus arroubos,

Suas cabeçadas, sabendo o repreender e conversar na hora exata;
Ser mãe é ter forças pra dizer não, quando o coração

Não escuta a razão e quer dizer sim;
Ser mãe é perdoar e é amar seu filho,

Independente dos obstáculos que a vida lhe obrigar.
Mas, o fato de ser mãe, uma mãe inteira, completa e verdadeira,

Na mais pura e sublime expressão da palavra,

Não impede de você sentir uma infinita tristeza por já não tê-la.


*****


Feliz Dia Das Mães no Céu e na Terra!


Publicado no Recanto das Letras em 09/05/2010
Código do texto: T2246229

sexta-feira, 7 de maio de 2010

BRANCO BONITO

BRANCO BONITO
De: Ysolda Cabral


A música é bonita, mas não impressiona.
Escuto apenas pra fugir de conversas tolas e vazias.

O dia está lindo e eu estou de bem com a vida,
Apesar da noite ter sido de pesadelos terríveis,
Contudo o amanhecer chegou pra me deixar livre.

Assim a vida continua ... E hoje é sexta-feira!
Dia que a maioria veste branco,
Até por brincadeira.

Quanto a mim?! - Só por coincidência.
Jamais de outra maneira.

Branco bonito pra mim;
Está nas nuvens do Céu, de um dia azul anil.
E, o de hoje está assim...
Lembra até um dia de primavera,
De quando ainda era menina na minha terra.

Branco bonito pra mim,
Está na alma da criança;
Na gaivota que voa alto e graciosa,
Por sobre terras e mares... Despretensiosa...

Branco bonito pra mim,
Está no esquecimento dos desencantos.

Branco bonito pra mim,
De verdade, mesmo, mesmo...
Está no sorriso de minha filha
– Que sorriso mais bonito!

Branco bonito pra mim,
Está no coração dos que amam.
Pois o amor é o começo, o meio e o fim.
E se existir outro, por favor, me conte.


*****


Publicado no Recanto das Letras em 07/05/2010

Código do texto: T2242630

quarta-feira, 5 de maio de 2010

SERÁ QUE MÃE É A QUE PARI...

SERÁ QUE MÃE É A QUE PARI...
De: Ysolda Cabral




Já havia decidido que não queria mais saber de nenhuma notícia, exceto as relativas aos meus familiares e amigos as quais sempre vêem através de e-mails, telefonemas e visitas.

Mas não há jeito! O hábito de tomar coca zero matinal, em frente à TV, me leva a deparar com notícias que só trazem preocupação, indignação, insegurança, descrença e muito desencanto.

É guerra; é terrorismo; é violência em todos os lugares e de todas as espécies. Vulcão em erupção; terremotos; gente morta pra todo lado. Pedofilia; prostituição infantil; tráfico de drogas, de órgãos, de gente, de animais, de influências... Olhe, sei não... O mundo está mesmo de ponta-cabeça.

Ah, que hábito mais desgraçado!!!! E não é que, as notícias sempre me acertam!!!

Pois bem; hoje, mal liguei a danada da TV e já dei de cara com duas mães, as quais eram o retrato da dor.

Imediatamente, a mesma dor me atingiu. Soube que, há um ano, elas tiveram seus filhos trocados numa maternidade de Goiás. É brincadeira?!!!

Uma delas, além de ficar com um filho que não era seu, foi abandonada pelo marido por ele achar que ela o havia traído, pois à medida que o garoto crescia em nada se lhe assemelhava.

Contudo, essa mãe - essa mulher guerreira - tocou a vida. E, durante um ano foi uma mãe dedicada. Até que, alguma coisa a levou a fazer o exame de DNA e descobrir o ocorrido.

Esta semana a justiça determinou que as crianças fossem destrocadas.

- Está certo. Mas, será que está mesmo?

Será que a vida que, essas famílias tiveram durante todo esse tempo e o amor de mães e filhos podem ser destrocados?

Fico a me perguntar se a mãe é mesmo àquela que pari ou àquela que cria...

Por esta razão, e, aproveitando que, domingo é o “Dias das Mães”, quero desta forma registrar minha mais completa e mais sincera solidariedade a essas duas valentes mulheres.

Desejo ainda que todas, com verdadeiro sentimento maternal, tenham um dia da mais completa felicidade junto aos seus filhos. Independente de serem mães biológicas ou não.

Tomara que fatos desta natureza não mais se repitam. À todas nós, um Feliz Dia das Mães, SEMPRE.

*****


Publicado no Recanto das Letras em 05/05/2010

código do texto: T223815

segunda-feira, 3 de maio de 2010

DORMI OU VOLTEI NO TEMPO?



DORMI OU VOLTEI NO TEMPO?
De: Ysolda Cabral




Eu dormia dentro do meu sonho. Vez ou outra acordava e tentava colocar minha filha no bercinho. Só que, quando eu colocava; ela chorava e eu tinha que voltar pra minha cama e me deitar com ela sobre a minha barriga.

Cantando baixinho uma canção de ninar, caiamos as duas no sono. Aí eu acordava e a levava outra vez para o berço e lá, ela acordava e tudo recomeçava. Passamos a noite assim, numa peleja medonha. Amanheci simplesmente moída, afinal havia passado a noite acordada enquanto dormia.

Estava tão desnorteada que, quando acordei, hoje pela manhã, pensei; agora posso dormir, pois finalmente Yauanna aquietou-se.

Que coisa estranha é uma noite assim!

Será que no meu sono eu dormia com minha filha no colo, ou será que voltei, aproximadamente, dezoito anos no tempo?

Há tantos mistérios que envolvem a vida que, por vezes, perdemos a noção da realidade.

Tomara que hoje a noite seja calma.

*****

Publicado no Recanto das Letras em 03/05/2010
Código do texto: T2235728

domingo, 2 de maio de 2010

"EXCLUDENTE DE ILICITUDE "



“EXCLUDENTE DE ILICITUDE”
De: Ysolda Cabral



Começo a entender o Direito Penal.
Exemplo: parar de estudar a disciplina,
Ir ao Recanto das Letras,
Para ler bons poemas...

É um “estado de necessidade.”
Logo, excludente de ilicitude.

Lendo maravilhosos trabalhos,
Sem tempo de comentá-los,
Sendo ré confessa...

Sou passiva de pena reduzida.

Portanto, caros jurados,
Digo; poetas, cronistas,
Escritores diversos, leitores-amigos;
Peço absolvição deste delito.

Ou rogo por pena leve,
Prometendo reparação,
Dentro em breve.

Afinal, hoje é domingo,
O dia está lindo,
E eu estou alegre.

*****

Publicado no Recanto das Letras em 02/05/2010
Código do texto: T2232208

sábado, 1 de maio de 2010

SEM PENA E SEM DÓ

SEM PENA E SEM DÓ
De: Ysolda Cabral


Ficando triste não sonho,
E, quando a tristeza é bem grande,
Nem pesadelo eu tenho,
Já que não durmo direito há anos.

Faço direitinho o costumas;
Trabalho, estudo, rego as plantas,
Sem me sentir cansada ou tonta.
Afinal, estou triste e não incapaz.

Entretanto, mesmo sem graça,
Encaro o espelho por pura pirraça.

Sorriso irônico e contrafeito;
Olhando pra minha cara,
Vejo ela me dizer sem rodeios:
Oh, menina, deixa de asneira!!

E continua:
A noite está tão linda,
Vai dar uma volta!
Deixa pra lá a tristeza,
E toda esta revolta.

Toca a Vida em tom maior;
Tira das veias a tua essência mais feia,
A malfadada besteira.

- O resto?!
Deixa com Ela...
Sem pena e sem dó.



*****

Publicado no Recanto das Letras em 01/05/2010

Código do texto: T2231364