Google+ Followers

domingo, 31 de julho de 2011

ME CHAMES!




ME CHAMES!
De: Ysolda Cabral




O teu nome é forte e é lindo!
Penso nele e fico sorrindo,
Mas logo começo a chorar,
Pois não convém te chamar...

É daí que vem minha tristeza,
Tristeza mesmo de amargar!
Ai! Coitada de mim,
Nasci só pra chorar.

E, chorando mais que sorrindo,
Aos trancos e barrancos vou seguindo,
Fazendo do sonho realidade,
Só pra não morrer de saudade.

Sei que é preciso esquecer o teu nome,
Riscá-lo do meu vocabulário...
Então recorro ao rosário,
E rogo pra que me chames.


*****

Imagem Google.


Publicado no Recanto das Letras em 31/07/2011
Código do texto: T3131468

sexta-feira, 29 de julho de 2011

" BAILARINA JAMAICANA DO MARANHÃO''



''BAILARINA JAMAICANA DO MARANHÃO''
De: Ysolda Cabral




O Recife amanheceu lindo e bastante iluminado. Eu, contudo, amanheci feia e bastante irritada pela noite mal dormida e repleta de pesadelos. Talvez por não ter orado direito antes de dormir, ou, por ter ido deitar de barriga cheia...

- Sei lá!

E, para completar o meu amanhecer, fui dar uma caminhada e me irritei ainda mais vendo lixo espalhado pelas calçadas.

- Toda vizinhança está ''careca'' de saber que, a coleta de lixo só acontece as segundas, quartas e sextas-feiras e esporadicamente aos domingos.

Ontem foi quinta-feira e ainda estou no meu juízo perfeito!

- Que coisa!

Mas, enfim, andando, recolhendo lixo, colocando num saco, o qual sempre trago comigo e cruzando com pessoas receosas de passarem por mim, uma vez que ninguém quer se aproximar de gente doida - só doido de pedra caminha recolhendo lixo das ruas, da beira da praia, do mar e de qualquer lugar onde estiver.

Ao voltar pra casa, depois do banho e da ótima coca-cola zero da manhã - bem gelada - com bolo de chocolate e queijo do coalho quente, vim para o computador efetuar alguns pagamentos.

Quando acessei a minha conta corrente constatei, à duras penas, estar praticamente ''falida''. De qualquer forma consegui pagar os compromissos mais urgentes. Porém ficar na ''lona'', na ''bancarrota'', me deixou ainda mais irritada.

Resolvi arrefecer no Recanto das Letras e eis que, na minha crônica publicada ontem ''Ninho em Calça Jeans'', me deparo com o comentário do escritor, ERASMO SHALLKYTTON, o qual ainda não tinha tido o prazer de ler.

Com o intuito de conhecer a sua obra e, obviamente, agradecer a gentil visita, fui direto à sua Escrivaninha, quando me deparei com a belíssima poesia ''Dançando um reggae romântico''.

No final da leitura há uma indicação de um vídeo do Youtube, o qual me fez esquecer a irritação da noite mal dormida; do lixo espalhado nas calçadas, bem como da minha ''bancarrota'' e sair rodopiando pela sala me sentindo uma rica e poderosa bailarina ''jamaicana da Ilha do Maranhão'' (Risos)

**********

Ao nobre e talentoso escritor, meu sincero agradecimento por ter arrefecido completamente a minha irritação e tornado o meu dia mais leve e mais bonito.

Aos meus amigos e leitores, indico:

ERASMO SHALLKYTTON
http://www.recantodasletras.com.br/poesiasdeamor/3072942

Vídeo youtube:
http://www.youtube.com/watch?v=nv2pUH-kJBU

Publicado no Recanto das Letras em 29/07/2011
Código do texto: T3126076


**********

Imagem Google.



quinta-feira, 28 de julho de 2011

NINHO EM CALÇA JEANS



NINHO EM CALÇA JEANS
De: Ysolda Cabral





Cansada de tomar conhecimento de tanta notícia ruim, praticamente deixei de ler jornal e assistir TV. Quando entro na Internet é com o único objetivo de publicar algum trabalho, ler alguma poesia, responder um ou outro e-mail e só.

Mesmo assim, algumas notícias chegam até mim, as quais me deixam indignada, penalizada, horrorizada, revoltada e com vontade de dar um jeito nas coisas erradas. Porém como ''uma andorinha só não faz verão'', me recolho num canto qualquer, para chorar ou compor alguma poesia, a título de desabafo.

- O que não é o caso agora, ou é?!

No interior da Bahia, um senhor, ao chegar do trabalho, pendurou sua calça jeans - creio que num armador de rede, ou algo parecido, e, ao acordar no dia seguinte, percebeu que nela havia sido construído um ninho de passarinho.

Com a percepção dos sábios, aliada a sua sensibilidade, generosidade e genialidade percebeu que, se não tomasse uma providência imediata, relativa à estrutura da ''construção'', ela iria desmoronar perna abaixo. Depressa garantiu a respectiva estrutura com laços de fita e tratou de arrumar outra calça para ir trabalhar.

- Atitude mais surpreendente e mais bonita, eu nunca tinha ouvido nem falar! Com um nó na garganta, pensei: este mundo não está perdido...

Por outro lado, conjecturei: se o passarinho construiu seu ninho num lugar tão inusitado, é porque a Natureza continua em acelerada destruição.

E foi então que chorei... Chorei pelas árvores que desaparecem todos os dias para darem lugar a condomínios de luxo, deixando nossos pássaros sem abrigo e sem direção.

*****

Imagem coletada do Google.

Publicado no Recanto das Letras em 28/07/2011
Código do texto: T3124192

terça-feira, 26 de julho de 2011

MELISSA NA MANHÃ DE SOL





MELISSA NA MANHÃ DE SOL
De: Ysolda Cabral







O dia amanheceu lindo demais... Parecendo um grande girassol.

Sou meio melissa, porém ao ser ''tocada'' pelos primeiros raios de sol ou por suas ''pétalas'', ao invés de me fechar, abro portas e janelas e me deixo iluminar.

Sorrindo feliz penso em recomeçar...

Neste instante, como já era de se esperar, chega uma abelhinha querendo conversar. Como não lhe dou trela, ela tenta me aferroar.

Achando muito engraçado, lhe convido a ir embora... Ela emite um '' zoom'' zangado e se vai bem rápido ''zoar'' noutro lugar.

Permaneço mais um pouco ausente da condição de gente...

Logo uma nuvem escura no céu aparece avisando que o tempo vai mudar.

Melhor não bobear, me recomendo, pois as férias vão acabar...

Preciso botar a ''casa'' em ordem, antes que ela venha, de fato, a se desmoronar.





**********

Publicado no recanto das Letras em 26/07/2011
Código do texto: T3119134

segunda-feira, 25 de julho de 2011

UM GRANDE ENCONTRO



UM GRANDE ENCONTRO
De: Ysolda Cabral


Pensamento em turbilhão
Passado, presente e futuro
Misturam-se na contramão
Mesmo assim sou união

União comigo mesma
Corpo, alma e coração
Em sintonia de precisão
Numa opereta meio avessa

E o contraditório se destaca
Fica o dito por não dito
Todo o feito é desfeito
Sem nenhuma explicação

E a vida continua
Sem muita direção
Porém o objetivo é definido
Encontrar motivação.


**********


Publicado no Recanto das Letras

Em 25/07/2011 Código do texto: T3118448

domingo, 24 de julho de 2011

MEU AMIGO



MEU AMIGO
De: Ysolda Cabral


Na quietude da tarde silenciosa,
Sinto-me tranqüila e em paz comigo,
Fazendo uma reflexão minuciosa,
Sinto que Jesus é meu amigo.

Tento fugir de contendas,
Caminhar em linha reta...
Não é sempre que consigo,
Mas sei que o Senhor sabe disso.

Contudo, nos altos e baixos da vida,
Nunca duvidei de Sua Existência.
No máximo, da boca pra fora,
Em momentos de tola resistência.

E assim vivendo cada dia,
Procurando mais calma e alegria,
Agradeço-Lhe, meu Amigo,
Por sempre estar comigo.



**********

Publicado no Recanto das Letras em 24/07/2011
Código do texto: T3116012

AMY WINWHOUSE - APENAS UMA MENINA



AMY WINEHOUSE – APENAS UMA MENINA
De: Ysolda Cabral





Como não entender o desânimo, a depressão, a solidão, o desamor, advindos de traumas profundos e irreversíveis como doenças que levam pessoas jovens e talentosas à morte precocemente, deixando um legado tão triste e polêmico?

Fiquei consternada com o falecimento da talentosa cantora e compositora britânica Amy Winehouse. Entretanto, tomar conhecimento de alguns comentários sobre seu triste fim, de pessoas da mesma idade dela, me deixou ainda mais perplexa que a própria notícia.

- É tão fácil julgar e condenar o outro não é?!

Um dos últimos shows da Amy se deu aqui em Recife e não foi diferente dos demais que realizou em seu último ano de vida. Inclusive, minha filha esteve presente nesse show e saiu de lá com um misto de admiração e pena.

Contou-me que, a cantora ao cair no palco, visivelmente embriagada ou drogada – eu diria drogada de sofrimento - muita gente xingou e outras deram risada...

Contudo a grande maioria silenciou... Graças a Deus!

Amy Winehouse, era apenas uma menina que, infelizmente, não teve forças e nem motivação, para lutar por sua própria vida.

Como deve ter sofrido!

Num trechinho de sua música mais famosa - Reabilitação - ela disse:



“Eu não quero beber nunca mais
Eu só oh, só preciso de um amigo
Não vou perder dez semanas
Pra todo mundo pensar
Que estou me recuperando

Não é só meu orgulho
É só até essas lágrimas secarem

Tentaram me mandar pra reabilitação
Mas eu disse "não, não, não"

Eu não tenho tempo..”





**********
Publicado no Recanto das Letras
Código do texto: T3115108

quinta-feira, 21 de julho de 2011

O PIOR AMOR É ...




O PIOR AMOR É...
De: Ysolda Cabral


O pior amor é o não correspondido,
Ama sozinho, sem objetivo e sem tino,
E a despeito disso, só faz aumentar.

O pior amor é o não compreendido,
Que transborda no peito e em sofrimento,
Condena-nos a viver sozinhos a esperar.

Se submetido a cálculo matemático,
Para ser sumariamente destruído;
Nem assim se consegue exterminar.

E, sobrevivendo de forma absurda,
Nos escombros de todos os dias,
Continua a existir e a se perpetuar.




**********




Obs. Participação na ciranda da amiga querida Mariapaz.
ublicado no Recanto das Letras em 21/07/2011


Código do texto: T3108662

quarta-feira, 20 de julho de 2011

O QUE UMA AMIGA NÃO FAZ!



O QUE UMA AMIGA NÃO FAZ!
De: Ysolda Cabral






Exuberante como nunca vi, a maravilhosa amiga e escritora, Edna Lopes, conseguiu de mim o que pouca gente consegue: me fazer sair de casa e perambular pelas belas ruas e avenidas do Recife, bem como pelas mágicas ladeiras de Olinda, em plena noite de terça-feira, dia 19/07/2011.

Eu sempre considerei essa amiga, do ''espaço'' virtual, uma das mais talentosas escritoras do RL e uma das mais belas Sereia das Alagoas.

Ontem pude constatar que tinha toda razão.

E, em especial ao item Sereia, ela realmente encanta e fascina. Me fez esquecer o cansaço e me tirou de casa para ir ao seu encontro e ao encontro de suas, não menos belas e inteligentes amigas, Lurdinha e Valéria.

Ah! Minha amiga querida, apesar da noite meio ''morta'', devido ao adiantado da hora e da minha falta de experiência em ''ciceronear'', a noite foi alegre, divertida e muito, muito especial.

Conhecer você pessoalmente e estar com você; ouvi-la falar das coisas mais simples e corriqueiras foi uma experiência extraordinária.

E por falar em experiência extraordinária; não sei se contei que, na ansiedade de encontrá-la... Ao chegar à entrada do Hotel e entregar as chaves do carro ao manobrista, desci tão ansiosa e tão apressada que, não dei nem duas passadas, tropecei e quebrei o salto da sandália.

Voltei para o carro pulando num pé só - feito o Saci Pererê - para calçar a reserva que trago, destinada ao supermercado na volta do trabalho. E nem me importei com o vexame...

- Afinal, para uma pessoa ''sarada'' que nem eu, voltar para o carro desta forma, foi como ganhar uma competição. Hahahahahahaha

E o troféu?! A poesia sobre amizade que você publicou hoje em sua página, a qual tomei a liberdade de ''transportá-la'' pra cá, na forma abaixo:




A QUEM COMIGO CAMINHA
De: Edna Lopes

O sorriso afaga e beija
assim como os braços
se estendem, enlaçam

O abraço acolhe e
consolida o afeto,
a emoção que partilhamos

Nossa amizade, que ultrapassa
fronteiras palpáveis
alimenta nossos sonhos
de um mundo fraterno,
terno, solidário e justo

Todos os dias são dias
de reafirmar que sou
tua amiga
tua companheira
de vida e sonho.

***

Obrigada, amiga querida!

*****



Publicado no Recanto das Letras em 20/07/2011


Código do texto: T3107733



segunda-feira, 18 de julho de 2011

UMA CARTA A MODA ANTIGA


Recife, 18 de Julho de 2011.


Ilma. Srta.
Yauanna Cabral Cavalcanti de Albuquerque
A/c do Site Recanto das Letras e/ou do Blogger '' Apenas Ysolda'' - II Bairro da Mais Pura Poesia
Cidade do '' Espaço Virtual''


Querida Filha,

Neste momento, ouvindo uma música suave e bela, me transporto no tempo para exatos vinte e um anos atrás. Sinto você ainda na minha barriga, prontinha para sair. Estou preocupada e tensa.

- Será que vou dar conta? Pergunto-me a todo instante...

A princípio me preocupava com tudo, mas aos poucos você foi me ensinando como cuidar de você e foi aí que as coisas se ajustaram para que chegássemos aqui...

E cá estamos nós! Juntas e amigas como nunca, mãe e filha, para comemorar a sua MAIOR IDADE – maior só em caixa alta - pois para mim você sempre será uma menina e nada de reclamações e/ou reivindicações.

Contudo, a despeito de outros aniversários, ontem você me perguntou se hoje eu lhe dedicaria uma poesia.

Foi então que compreendi que dei conta de você, pois o normal seria perguntar pela festa...

- Não! Hoje não vou compor nenhuma poesia. Seria impossível! A minha mais perfeita e bela poesia é você, minha amada filha.

Portanto, feliz aniversário, com votos de tudo de bom que há nesta vida.

Agradecida a Deus por ter você, assino publicamente esta carta, escrita com o maior e mais sublime amor que existe: O DE MÃE.

Ysolda Cabral

**********

Publicado no Recanto das Letras em 18/07/2011
Código do texto: T3101981

domingo, 17 de julho de 2011

SAL DE LÁGRIMAS


SAL DE LÁGRIMAS
De: Ysolda Cabral


Totalmente desorientada,
Com o coração em agonia,
Hoje estou desamparada,
Pois de mim fugiu a poesia.

Sensibilidade a flor da pele,
É preciso que me rebele,
Pois judiar das feridas,
Não é de grande valia.

Vou curá-las no Mar,
Porém chove em demasia,
E, enquanto a chuva não passa;

Vou tratando-as com as lágrimas,
Que por serem salgadas,
Aliviam a dor da minha alma.

**********


Publicado no Recanto das Letras em 17/07/2011

Código do texto: T3100422

sábado, 16 de julho de 2011

DESPERDÍCIO


Praia de Barra de Jangada
Jaboatão dos Guararapes - PE
Foto: Angela Cabral


**********

Publicado no Recanto das Letras em 16/07/2011
Código do texto: T3099515

sexta-feira, 15 de julho de 2011

AMOR DE ADOLESCENTE


AMOR DE ADOLESCENTE
De: Ysolda Cabral


Esta noite sonhei com você
Você que foi o meu primeiro
E único amor verdadeiro
Pelo qual poderia até morrer

Feliz eu vivia com esse amor
Porém a vida nos separou
Tentei entender essa amiga
Que tanta dor me causou

Um dia, por pura cisma,
Ela novamente nos juntou
Só para que eu entendesse
Que você nunca me amou.

**********

Publicado no Recanto das Letras em 15/07/2011
código do texto: T3096359

quarta-feira, 13 de julho de 2011

TEMPERO DE CUPIDO


TEMPERO DE CUPIDO
De: Ysolda Cabral



Hoje o dia está tão lindo!
Não darei trela à tristeza,
Quero que ela se escafeda,
E juro que não estou mentindo.

Desânimo, eu?! – Ora, nem pensar!
A disposição me atropela.
E, sem poder e nem querer parar,
Realizo várias tarefas.

O tempo urge e eu estou sã!
Preciso muito é me apressar,
E, regar minha linda hortelã...

Deverá vir em primeiro lugar.
Depois dou um fim naquela maçã,
Que Cupido temperou pra nos pegar.


**********
Publicado no Recanto das Letras em 13/07/2011

Código do texto: T3092514

terça-feira, 12 de julho de 2011

ETAPAS DA VIDA




ETAPAS DA VIDA
De: Ysolda Cabral






Sabe aquele dia que você acorda sem querer levantar e ficar na cama também não é convidativo?

Sabe aquele dia que você não tem vontade de nada, tudo é triste e sem graça?

Sabe aquele dia que, de tão indefinido e indiferente, você se sente totalmente perdido?

Sabe aquele dia que você nem sabe que dia da semana é?

Sabe aquele dia que nem parece dia e nem parece noite, de tão frio e cinzento?

Sabe aquele dia que chove sem parar e você não se anima nem para tomar um chocolate quente?

ETAPAS... Na realidade tapas da vida na gente.

Independente de estar chovendo ou fazendo sol, de ser noite ou de ser dia... As ''tapas'' são pra valer.

Doem pra danar e você todo arrebentado não sabe o que fazer e recorrer à oração é mera hipocrisia.

Não ocupe o Altíssimo com sua covardia!

Aguente a dor e logo elas hão de sarar e então você volta a ser o mesmo idiota de todo dia, sonhando sonhos bobos e a espera do que nunca virá.

- Que coisa!


- Procura mudar! Já chega de tanto choramingar.

- Levanta já daí e vai à luta, quem sabe algum round você não ganhará?



**********

Publicado no Recanto das Letras em 12/07/2011



Código do texto: T3090063






sábado, 9 de julho de 2011

DESPEDIDA


DESPEDIDA
De: Ysolda Cabral


Dia incerto
Céu azul deserto
Vento frio e forte
Mar revolto

Espuma branca
Quebra na areia
Afasta banhistas

Poucos se arriscam
Pombos famintos

Atento Salva-vidas

Tudo hoje é triste
Até a vista...

*********

Publicado no Recanto das Letras em 09/07/2011

Código do texto: T3085224

sexta-feira, 8 de julho de 2011

FÉRIAS COM NOÉ




FÉRIAS COM NOÉ
De: Ysolda Cabral


Férias, sérias?
Seria de veras,
Em outras eras.

Ah! Quem dera,
Gozar pelo menos do silêncio,
De outras épocas...

Ah! Férias...

Férias assim,
Bom seria,
Dar-lhe um fim.

Mas, com dias tão nublados,
Sem numerário e sem itinerário,
Barulho por todos os lados;
É tudo tão hilário!

Ai! O que será de mim?

Concentro-me e viajo no tempo.
Encontro a Arca de Noé
Nela embarco sem nem dizer-te até.



**********


Publicado no Recanto das Letras em 08/07/2011

Código do texto: T3083183


quinta-feira, 7 de julho de 2011

PARA ONDE DEUS ME MANDAR, EU VOU!


Para onde Deus me mandar, eu vou!
De: Ysolda Cabral



Vou sim! Só que às vezes revoltada, questionando os caminhos, tentando atalhos, mudando até as placas de indicação e muito indignada.

Nessas ocasiões me sinto o próprio Jonas que, envergonhado clama ao Senhor uma nova chance e é imediatamente “cuspido’’ da barriga do grande peixe para terra firme, porém desconhecida e agreste.

E é assim, caminhando a esmo e trôpega que, novamente caio. E, levanto com mais força, com mais fé e meto o pé no caminho e sigo.

Vez ou outra me canso novamente... Então me sento debaixo de uma árvore, e, acalentada pelos pássaros, refrescada por uma brisa suave, durmo e sonho com um mundo melhor, mais justo e ainda mais bonito.

Ao acordar, revigorada, ponho o pé na estrada, com ânimo e coragem dando muitas Graças.

E é assim que sou recompensada no final de cada caminhada.


****


Prosa em agradecimento por Graça alcançada.



Publicado no Recanto das Letras em 07/07/2011

Código do texto: T3080852

quarta-feira, 6 de julho de 2011

ALGO PERDIDO


ALGO PERDIDO
De: Ysolda Cabral


Noite fria,
Sem nuvens,
Céu sem estrelas,
Sem lua,
Saudades tuas.

Mas tu...
Sei que não vens.

Olho a rua...
Tão nua!

Sem árvores,
Sem pássaros,
Tão sem esperança!

Apenas ruídos,
Dos carros que passam.

Andas sumido...

Sorriso contido,
A lágrima é alivio.
Algo foi perdido...

Vê se tu achas!

**********


Publicado no Recanto das Letras em 06/07/2011

Código do texto: T3079811

terça-feira, 5 de julho de 2011

ANTIGA PAIXÃO

ANTIGA PAIXÃO
De: Ysolda Cabral


Lembro de um tempo equivocado,
Tão desocupado e tão escravo,
Que só conseguia passar por ele,
Vencendo o medo inusitado.

Sorria, chorava e cantava,
Fazendo graça e até dançava,
Rodopiando nos cantos da sala
Tropeçando e deixando marcas

A poesia pouco aflorava,
Muito mais para letras de músicas,
Compostas para acalmar meu coração.

Quando finalmente terminava,
Percebiam-se nos acordes loucos,
A mesma velha e antiga paixão.


**********
Publicado no Recanto das Letras em 04/07/2011

Código do texto: T3075320



sábado, 2 de julho de 2011

PARA VOCÊ QUE ME QUER BEM



PARA VOCÊ QUE ME QUER BEM
De: Ysolda Cabral


Inaudível é o som do coração,
Dentro do peito em repouso.
Perceptível apenas pela respiração,
Faz o pensamento voar solto.

E ele voa, e voa, e voa alto,
Atravessa uma imensidão de assalto,
Só pra me jogar nos seus braços.
Contudo, erra o alvo...

E é nos braços de Morfeu que caio,
Nele caibo sem sonhos e sem pesadelos.
Depois, completamente refeita, dele saio,
Como flor que desabrocha cedo...

E assim, descansada, leve e sem desdém,
Fico pronta para viver com alegria.
Levanto-me, dou Graças e dou bom dia,
Só pra você que me quer bem.




**********



Publicado no Recanto das Letras em 02/07/2011


Código do texto: T3070327




Imagem : Google.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

CADÊ AS GARÇAS





CADÊ AS GARÇAS
De: Ysolda Cabral


Cadê as garças?

Árvores sozinhas
Tetos e traças
Dores minhas

Cadê as garças?

Pretas nuvens
Alagadas matas
Animais acuados nos túneis

Cadê as garças?

Voaram sem graça
Levando sonhos
Inevitáveis tombos

Cadê as garças?

Terra sem branco
Profundas marcas
Caminho longo

Cadê as garças...?



**********




Publicado no Recanto das Letras em 30/06/2011

Código do texto: T3066010