Google+ Followers

sábado, 3 de setembro de 2011

CORAL DO AMANHECER



CORAL DO AMANHECER
De: Ysolda Cabral



Não vi tanto vento no mês de Agosto,
Como estou vendo no mês de Setembro.
Agorinha mesmo, da minha varanda,
Divertia-me olhando as tentativas inúteis
Do Sombreiro em ficar quieto.

Fiquei a refletir...

Se o vento não lhe desse trégua,
Onde seria o pernoite
Dos pássaros da redondeza?

A noite chegou, o vento diminuiu...
E o Sombreiro sossegou.

Mas, cadê os passarinhos?!

De repente me senti triste...
Tão desamparada!

Será que o ''Coral do Amanhecer’’
Me acordará a manhã cedinho?

**********
Publicado no Recanto das Letras em 03/09/2011
Código do texto: T3199119