Google+ Followers

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

TERREIRO DE CANDOMBLÉ - CRÔNICA E POESIA




TERREIRO DE CANDOMBLÉ – CRÔNICA E POESIA
De: Ysolda Cabral




Lendo há pouco a belíssima poesia “O Canto de Yemanjá”, de autoria da querida e talentosa amiga, agora também recantista, Mírian Warttusch, passei a divagar...

Meu pai é evangélico e mamãe católica - nenhum dos dois muito praticantes, diga-se de passagem. Papai não queria que nós, seus cinco filhos, fossemos batizados, e, fossemos, quando tivéssemos discernimento para escolher a religião que iríamos seguir. Contundo, cedeu à vontade de mamãe e fomos batizados na Igreja Católica.

Quando completei quinze anos, resolvi conhecer um pouco de religião. Depois de ler alguma coisa, considerar as proveitosas discussões lá de casa, fui à missa; fui a um culto evangélico e a uma reunião espírita. Até fui a um famoso terreiro de candomblé!

Resultado: senti que, para ter Deus comigo, eu não precisava ir a lugar algum. Ele estava em todos os lugares em que eu estivesse...

No mar, no ar, na montanha, nas plantações... Enfim, onde minha vista alcançasse. E, se, fechasse os olhos, lá estava Ele em meu espírito, em minha alma...

Sorrindo feliz da vida, peguei meu violão e compus a seguinte canção:


YEMANJÁ - UM PEDIDO

Lá foi meu bem fugir
Mãe Yemanjá
Oxóssi!
Saravá, saravá,
Me faz vir, meu bem pra cá

O luar já surgiu
Só não viu quem não vê
E meu bem foi não vem
Só me faz padecer, padecer
Yemanjá

Levai o mau
Trazei
Meu bem pra cá
Mãe Yemanjá
Sem sofrer, sem sofrer
Pra viver, viver em Paz

Sexta-feia a meia noite
Um pedido vou fazer
E depois, e depois,
Vou pro mar,
Vou pro mar,
Me benzer... Me benzer
Yemanjá, Yemanjá...

**********

Publicado no Recanto das Letras em 03/02/2012
Código do texto: T3477947