Google+ Followers

domingo, 19 de setembro de 2010

MINHA CRUZ

MINHA CRUZ
De: Ysolda Cabral


A procura de mim,
Perco-me e me acho.
E, com a lucidez da Luz,
Avalio a minha cruz.

Aproximo-me,
Chego bem perto,
Olho e perscruto,
Paro... Penso... Peso...
Concluo:

Minha cruz não é feia,
Também não é bonita,
Não é leve e nem pesada,
É proporcional à minha alma.

Para carregá-la,
Não preciso de muito,
Basta que eu tenha paciência,
E um pouco mais de calma.

Talvez a carregue por anos,
Ou apenas por mais alguns segundos,
Mas quando parar de lhe carregar,
Nela deverá constar:

Aqui jaz Ysolda!
Finalmente nocauteada,
E definitivamente muda.

**********

Publicado no Recanto das Letras em 19/09/2010

Código do texto: T2508222