Google+ Followers

quarta-feira, 10 de março de 2010

PRENUNCIO NO AR

PRENUNCIO NO AR
De: Ysolda Cabral



No silêncio da noite escura,
O canto do Acauã.

Nada se mexe!
Há um prenuncio no ar...

O frio não é acolhedor.
Congela os sentimentos mais puros
E mais bonitos.
Promessa de dissabor.

A luz do lampião não clareia.
Nos acordes da viola,
Há um lamento conformado,
De uma tristeza sem vereda.

O tocador perde o compasso.
Vencido pára de tocar.

E no silêncio da noite escura,
Cortado pelo canto do acauã...

O sertanejo não tem dúvida:
É a morte que não tarda pra chegar.

*****

Publicado no Recanto das Letras em 10/03/2010
Código do texto: T2130483